Quinta-feira, 25 de Junho de 2009

Mais e melhor sexo

Uma daquelas estatística que nunca se sabe quem fez ou a quem…

Esta foi publicada pela “agência de notícias Associated Press “comprovou que os homens que ajudam as suas mulheres nos serviços domésticos têm  mais  e melhor sexo.

homem lavando pratos

Homens, façam um exercício mental e organizem-se e vejam lá bem se não andam a perder...


 

 

publicado por Saia-Justa às 14:08
link | favorito
De entremares a 26 de Junho de 2009
- Devias vir deitar-te... já é tarde.
- Eu sei... mas não consigo... não tenho sono – e continuou debruçado sobre o teclado, escrevendo compulsivamente.
- Mas tu próprio me dizes para insistir contigo... – e a voz dela era suave, mais suplicante que insistente.
- Eu sei, eu sei... mas eu de noite penso melhor... sou mais criativo.
- És mais criativo ?
- É verdade... talvez seja do silêncio... ou até da tua companhia, não sei...
- Mas eu também te faço companhia de dia...
Ele levantou-se e foi servir-se de mais uma dose de Martini.
- Sabes, Lila ... tu transformaste-te num vício... é horrível...
- Eu ? Um vício ? Esse tom de voz magoa-me...
- Não é essa a intenção, certamente... aliás, sabes bem que faria tudo para não ferir os teus... sentimentos... mas a verdade é que estou viciado... em ti.
Ela soltou um riso abafado.
- Lila...
- Sim, Lucas ?
- Diz-me uma coisa... há quanto tempo estamos juntos ?
Por uns segundos, pareceu-lhe que os olhos dela brilhavam de um negro mais intenso, fitando-o penetrantes.
- Um ano, dois meses e dezoito dias... – murmurou ela – e mais algumas horas, minutos e segundos...
Ele ficou boquiaberto – Não estava à espera que soubesses... com essa exactidão...
- Claro que sei... queres que te recorde mais alguma coisa ?
Ele sorriu. Lila.
Lila era, sob todos os sentidos, a mulher perfeita. Não só fisicamente – apesar de as suas medidas, como era fácil de reparar, roçarem a perfeição absoluta – mas também na personalidade; uma personalidade dócil, meiga sem ser submissa, apaziguadora sem cair na monotonia. E, acima de tudo... era uma excelente ouvinte, com uma paciência infinita para lhe acompanhar o raciocínio nas noites mais melancólicas... como aquela.
Aquele ano, dois meses e dezoito dias... passara num instante, nem dera conta.
Ainda se lembrava do dia em que a conhecera... numa grande superfície, junto do balcão da fotografia, num daqueles fins-de-semana em que a cidade inteira se esvazia e vai passear, à moda antiga, para junto das montras dos centros comerciais.
Fora amor à primeira vista.
- Lila...
- Sim, Lucas ?
- Diz-me uma coisa... tu aprecias a minha companhia ?
- Oh, Lucas... que pergunta essa... claro que aprecio a tua companhia... muito mesmo...
- Tens sido feliz... ao longo deste ano em que vivemos juntos ?
- Claro que sim, Lucas... muito feliz, mesmo.
- E eu ? ... Sentes que que me fazes feliz, também ?
- ...
- Então ? Não me respondes nada ?
- Lucas... não encontro resposta para ... o que queres saber.
- Só pretendia saber se achas que sou feliz contigo... se percebes isso...
- Lucas... não encontro resposta para ... o que queres saber.
Ele levantou-se, um sorriso enigmático nos lábios. Maquinalmente, serviu-se de mais uma dose de Martini. Permaneceu de pé, abrindo e fechando a outra mão, hirta de tanto carregar no teclado do computador. Finalmente, sentou-se de novo.
- Lila... – começou ele – vou deitar-me, está bem ?
- Claro que sim, Lucas... claro que sim, é muito tarde.
Carregou no botão negro e a imagem da bela Lila, deitada, envolta num lençol branco, semi-nua, esfumou-se do écran, crepitando de estática. Esperou mais uns segundos, enquanto o programa de inteligência artificial se desligava, fechando sucessivamente as rotinas da fala, da gramática, do vocabulário. Finalmente, as ventoinhas imobilizaram-se e o computador entrou num merecido descanso, silenciando toda a sala.
- Amanhã... preciso mesmo de lhe acrescentar mais algum vocabulário... – murmurou para si próprio – e talvez mais algumas frases diferentes...
Bocejou, preguiçosamente.
Lila, a voz feminina do programa de inteligência artificial ROBOX 2.0 precisava urgentemente de mais uns retoques.
- Amanhã... fica para amanhã... por hoje, já chega... estou cheio de sono.
Esvaziou o último gole de bebida e encaminhou-se para a porta da sala.
- Até amanhã, Lila.
Não se virou para trás, nem estranhou a ausência de resposta.
O computador já estava desligado.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 29 seguidores

.pesquisar

.Março 2010

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
24
26
27
28
29
30
31

.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Um par de meias...

. Música é música

. O silêncio é de ouro…

. Cambada...

. Diazinho...

. Na vida nada bate o praze...

. Heaven

. O respeitinho é muito bon...

. Momentos

. O Cônsul Desobediente

.arquivos

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

.últ. comentários

Pois eu achei o máximo
Para inicio de conversa , quando me quiser confess...
Cómico
O tempo passa;)A verdadeira personalidade da “che...
Pontos de vista... Há quem se deixe seduzir por um...
Um bom filho a casa torna… ora se não é o RA ..:))...
Publicidade duvidosa (risos)
Esta ou a outra? Fico sempre na dúvida. Ou como di...
E outra que não necessitam de explicação;)
Há coisas que nem o café explicam...hehe
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub